Sem título

Instalação performática

Papel vegetal, fotografias, pranchetas e velas.

Rio de Janeio – Brasil, 2012.

Texto de Raphael Fonseca: A fotografia ocupa o lugar de testemunha das intervenções religiosas feitas na natureza do Rio de Janeiro. Com olhar distanciado, estas imagens apresentam um panorama onde detalhes de oferendas se transformam em protagonistas. Organizadas de modo enfileirado, oito fotografias em pranchetas evocam a presença dos artistas viajantes. Se durante o século XIX estrangeiros registraram através do desenho a cultura e a natureza do Brasil, um artista estrangeiro hoje pode lançar seu olhar permeado pela alteridade através da fotografia. Sobre cada fotografia existe uma escrita impressa em papel vegetal que, assim como no caso dos viajantes, coloca em xeque a relação entre imagem e texto. No lugar de uma descrição do Brasil, uma lista de compras orienta o espectador a como realizar sua própria oferenda. Transforma-se um dado religioso em uma junção de produtos industriais e a prancheta de desenho ganha o tom de uma base para lista de supermercado. Por fim, três velas colocadas abaixo de cada imagem se transformam numa fonte de calor capaz de fazer com que estas listas se movam lentamente. Através desse movimento entre revelar e esconder a fotografia, o espectador é convidado a refletir sobre religião, consumo e arte.

+